SOROCABA / SP - quinta-feira, 23 de novembro de 2017

VÍDEO ELETRENCEFALOGRAMA

VÍDEO ELETRENCEFALOGRAMA 36 CANAIS (VÍDEO-EEG)

 

O Video-EEG é um exame que analisa a atividade elétrica cerebral espontânea através do registro contínuo do eletroencefalograma associado e sincronizado ao registro de vídeo.

O objetivo principal do exame é registrar as manifestações clínicas que possam representar crises epiléticas. Através do registro simultâneo de EEG e de vídeo, é possível, na maioria dos casos, definir se as manifestações apresentadas pelo paciente são de natureza epiléptica ou não.

A vantagem do vídeo-EEG sobre o EEG de rotina é permitir a observação e registro de manifestações clínicas apresentadas pelo paciente.

 

Quando está indicado?

·         Pacientes com suspeita de condições neurológicas ou psiquiátricas em que exista a necessidade de observação da manifestação clínica e registro simultâneo da atividade elétrica cerebral para o correto diagnóstico.

·         Pacientes com epilepsia: diagnóstico das crises e, nos pacientes com crises resistentes ao tratamento para avaliação da possibilidade de tratamento cirúrgico.

·         Pacientes com suspeita de crises de natureza não-epiléptica, ou seja, de origem psíquica.

·          

Como é feito o exame?

O registro do Vídeo-EEG é realizado da mesma forma que o EEG de rotina, ou seja: colocação de eletrodos no couro cabeludo com auxílio de uma pasta condutora, que além de fixá-los permite a aquisição adequada dos sinais elétricos que constituem a atividade elétrica cerebral.

A periodicidade e o tempo de realização do exame são feito de acordo com a indicação clínica.

A aquisição do traçado eletrencefalográfico é acompanhada de registro contínuo de vídeo.

O registro espontâneo da atividade elétrica cerebral é obtido durante a vigília (paciente acordado), a sonolência e o sono.

O registro em todos esses estados aumenta a sensibilidade do método na detecção de diversas anormalidades.

Finalizado o registro espontâneo, são realizadas as provas de ativação: hiperpnéia (o paciente realiza incursões respiratórias forçadas e rápidas, por 3 a 4 minutos) e foto estimulação intermitente (uma lâmpada colocada frente ao paciente produz flashes com freqüências que variam de 0,5 a 30 Hz). O objetivo deste método é aumentar a sensibilidade do exame, bem como detectar alterações específicas que podem ser provocadas pelas provas de ativação.

Após a aquisição do traçado eletrencefalográfico e do vídeo, o registro é revisto pelo médico neurofisiologista clínico (eletrencefalografista), com especial atenção para eventos apresentados pelo paciente durante o exame. A análise conjunta do EEG e do vídeo permite o diagnóstico desses eventos.

 

Existe alguma contra-indicação?

Absolutas: por se tratar de exame não invasivo, não há contra-indicações absolutas para sua realização.

Relativas: seborréia excessiva, infecção de pele no couro cabeludo e pediculose.

 

Quais são as limitações do exame?

O Vídeo-EEG é freqüentemente indicado na avaliação diagnóstica de eventos de natureza epiléptica ou não epiléptica. Se o paciente não apresentar o evento durante o exame, a avaliação pode ser incompleta.

 

Pode haver alguma complicação durante o exame?

Para facilitar o registro de crises epilépticas pode ser necessário que as medicações (drogas antiepilépticas) utilizadas pelo pacientes sejam suspensas ou tenham suas doses reduzidas durante o exame. Nesses casos, existe o risco de ocorrência de crises, inclusive de crises mais fortes do que as habitualmente apresentadas pelo paciente. Esse é um procedimento rotineiro em unidades de Vídeo-EEG.

 

Qual o preparo necessário para realização do exame?

·         O paciente deve estar bem alimentado.

·         É orientado a comparecer ao local do exame com o cabelo limpo e seco para permitir melhor fixação dos eletrodos.

·         Devido à importância do registro de sonolência e sono, recomenda-se a privação parcial de sono na noite anterior a realização do exame.

·         Dependendo da indicação do exame, as drogas usadas pelo paciente (drogas antiepilépticas) podem ser suspensas ou ter suas doses reduzidas antes do início do exame.