SOROCABA / SP - terça-feira, 25 de julho de 2017

PSEUDOTUMOR CEREBRAL

PSEUDOTUMOR CEREBRAL

 

A hipertensão intracraniana benigna (também denominada pseudotumor cerebral) é um distúrbio no qual a pressão em torno do cérebro aumenta sem que haja qualquer evidência de tumor, infecção, interrupção da drenagem do líquido que envolve o cérebro ou outra causa.

 

Algumas vezes, o distúrbio é confundido com um tumor cerebral.

 

Ele é mais comum em mulheres com idade entre vinte e cinqüenta anos, sobretudo naquelas com excesso de peso. Na maioria dos casos, nem o início nem o eventual desaparecimento da hipertensão intracraniana benigna podem ser relacionados a um determinado evento.

 

Nas crianças, ela ocorre após a retirada de corticosteróides, ou ela ocorre após a criança ter tomado quantidades excessivas de vitamina A ou do antibiótico tetraciclina.

 

A hipertensão intracraniana benigna geralmente começa com uma cefaléia que é freqüentemente, mas nem sempre, leve.

 

Posteriormente, na evolução do quadro, aproximadamente 5% dos indivíduos apresentam perda temporária da visão, a qual pode ser parcial ou completa, uni ou bilateral.

 

O médico também pode detectar edema na parte posterior do olho, uma condição denominada papiledema.

 

O primeiro passo da avaliação médica da hipertensão intracraniana benigna consiste em descartar qualquer causa tratável de elevação da pressão cerebral.

 

A tomografia computadorizada (TC) pode ser normal, mas pode mostrar uma discreta compressão dos espaços que contêm ar e líquido no cérebro.

 

A punção lombar geralmente revela uma pressão elevada do líquido cefalorraquidiano, mesmo quando a análise do mesmo parece normal.

 

A hipertensão intracraniana benigna freqüentemente desaparece espontaneamente num período de seis meses. Não há necessidade de tratamento, mas os indivíduos com excesso de peso devem procurar emagrecer.

 

A aspirina ou o acetaminofeno ajudam a aliviar a dor de cabeça.

 

Se o aumento da pressão intracraniana não for aliviado dentro de algumas semanas, o médico poderá prescrever a acetazolamida.

 

Cerca de 10 a 20% dos indivíduos com hipertensão intracraniana benigna apresentam recorrências e uma pequena porcentagem apresenta uma piora progressiva e acaba ficando cega.

 

Uma vez ocorrida a perda da visão, ela pode jamais retornar, mesmo se a pressão intracraniana for aliviada.

 

Em alguns indivíduos com hipertensão intracraniana benigna, uma derivação instalada cirurgicamente pode drenar o líquido do cérebro.