SOROCABA / SP - terça-feira, 26 de setembro de 2017

CICLO SONO-VIGÍLIA É UM RITMO CIRCADIANO

CICLO SONO-VIGÍLIA É UM RITMO CIRCADIANO

 

O ciclo sono-vigília é um ritmo circadiano, isto é, em condições naturais este ritmo apresenta sincronização com fatores ambientais e oscila com um período de 24 horas.

 

A alternância do dia-noite (claro-escuro), os horários escolares, os horários de trabalho, horários de lazer, as atividades familiares, todos são fatores exógenos que sincronizam o ciclo sono-vigília.

 

Além dessa sincronização ambiental, o ciclo sono-vigília é gerado e regulado endogenamente por uma estrutura neural localizada no hipotálamo que é o núcleo supra-quiasmático (NSQ), considerado o relógio biológico para os mamíferos (Aschoff, 1979).

 

Há uma relação temporal entre o ciclo sono-vigília e outros ritmos biológicos no próprio organismo como, por exemplo, a melatonina, o hormônio de crescimento, o cortisol, e outros (Goichot et al., 1998).

 

Esta relação de fase entre os ritmos endógenos é conhecida como ordem temporal interna.

 

Há uma série de evidências apontando para o fato de que a sincronização com o meio ambiente e a ordem temporal interna representem uma necessidade para a expressão fisiológica e comportamental normal de um organismo.

A perturbação tanto da ordem temporal interna quanto da externa pode levar

a problemas de saúde (Moore-Ede & Richardson, 1985).

O equilíbrio entre as influências dos sincronizadores e a ordem temporal interna pode ser perturbado por mudanças abruptas em jornadas de trabalho, vôos trans-meridianos ou trabalho noturno (Monk, Buysse, Bibly, Kennedy & Wilbrich, 1998). Isto pode desencadear uma série de perturbações como transtornos do sono, sensação de mal-estar, alterações gastro-intestinais, flutuações no humor (irritabilidade, tensão, confusão, ansiedade) e reduções no desempenho em tarefas que requerem atenção e concentração (Gaspar, Moreno & Menna-Barreto, 1998).

Os estudantes, normalmente, apresentam um padrão de sono irregular caracterizado por atrasos de início e final do sono dos dias de semana para os finais de semana, curta duração de sono nos dias de semana e longa duração de sono nos finais de semana.

 

O sono prolongado nos finais de semana é devido à redução do sono (privação) durante os dias de aulas ou de trabalho. O atraso na hora de deitar nos finais de semana parece estar associado à tendência do sistema de temporização circadiana de provocar atrasos na fase do início do sono (Valdez, Ramírez & Garcia, 1996).

 

Trabalho realizado no Laboratório de Cronobiologia (UFRN) demonstrou que estudantes que iniciavam suas aulas às 7h, apresentavam privação parcial do sono e irregularidade do sono decorrente dos horários escolares e das demandas acadêmicas.

Como conseqüência desta irregularidade, estes estudantes apresentavam qualidade de sono ruim e baixo desempenho acadêmico (Medeiros, Mendes, Lima & Araújo, 2001). Em um estudo epidemiológico, Gianotti (1997) relatou que estudantes italianos dormiam menos durante a semana, queixavam-se mais de sonolência diurna e cochilavam mais freqüentemente que a população em geral, e que, em decorrência destes fatores, havia uma associação com baixo desempenho acadêmico, com sintomas de ansiedade e depressão e maior uso de tabaco, álcool e cafeína.

Em condições naturais, os seres humanos precisam de certa regularidade no seu padrão do ciclo sono-vigília, porém, para os estudantes universitários, existem dois grupos de fatores que agem de forma antagônica no processo de

sincronização do ciclo sono-vigília: o ciclo claro-escuro e os fatores endógenos (necessidade de sono e as preferências quanto à alocação do horário de dormir e de acordar – cronotipo), que tendem a sincronizar o ciclo sono-vigília em um ritmo regular e com período de 24 horas e, por outro lado, as demandas acadêmicas que tendem a reduzir o sono e os horários escolares que tendem a sincronizar o ciclo sonovigília com um padrão diferente do ciclo claro-escuro. Esta oposição entre estes dois fatores pode ser considerada como uma situação de conflito, em que os estudantes precisam decidir entre manter a regularidade do ciclo sono-vigília e satisfazer as necessidades de sono, e responder aos esquemas escolares e as demandas acadêmicas, podendo provocar alterações no estado afetivo.

Algumas evidências experimentais (Sadeh & Gruber, 1997; Uhde, 1998; Valldeoriola & Molinuevo, 1999; Yamashita, 1997) apontam para uma interação entre o sono e o comportamento emocional e, mais precisamente, entre o sono e a ansiedade.

A ansiedade é um sinal de alerta determinado pela presença de um conflito interno, que tem a função de avisar sobre um perigo iminente, possibilitando que a pessoa tome medidas para lidar com a ameaça (Holmes, 1997).

 

É provável que todos tenham experimentado ansiedade em algum momento.

Dados demonstram que a ansiedade tem aumentado expressivamente

na população humana, incluindo a categoria dos estudantes universitários, por isso alguns autores têm chamado o século XX de “A Era da Ansiedade” (Twenge, 2000).

Desta forma, buscou-se mostrar evidências empíricas de uma relação entre o sono e a ansiedade, avaliando quanto a ansiedade pode ser um fator de labilidade do ser humano de organizar o ciclo sono-vigília em situações de conflitos temporais

A alteração do ciclo sono-vigília contribui para o desencadeamento de respostas ansiogênicas.

 

Referências

Aschoff, J. (1979). Circadian rhythms: general features and endocrinological

aspects. In D. T. Kriegger (Org.), Endocrine rhythms (pp. 1-29). Nova York:

Raven Press.

Buysse, D. J., Reynolds, C. F., Monk, T. H., Berman, S. R., & Kupfer, D. J.

(1989). The Pittsburgh Sleep Quality Index: a new instrument for psychiatric

practice and research. Psychiatry Research, 28, 193-213.

Ceolim, M. F. & Menna-Barreto, L. (2000). Sleep/wake cycle and physical

activity in healthy elderly people. Sleep Research Online, 3, 87-95.

Gaspar, S., Moreno, C., & Menna-Barreto, L. (1998). Os plantões médicos, o

sono e a ritmicidade biológica. Revista da Associação Médica Brasileira,

44, 239-245.

Giannoti, F. (1997). Sleep patterns and daytime functions in adolescence. Trabalho

apresentado no Contemporary Perspectives on Adolescent Sleep, Marina

Del Rey, California. (disponível na internet: http://www.websciences.org/

adolescentsleep).

Goichot, B., Weibel, L., Chapotot, F., Gronfier, C., Piquard, F., & Brandenberger,

G. (1998). Effect of the shift of the sleep/wake cycle on three robust endocrine

markers of the circadian clock. American Journal of Physiology, 275, E243-E248.

Holmes, D. S. (1997). Psicologia dos transtornos mentais. Porto Alegre: Artes

Médicas.

Horne, J. A., & Ostberg, O. (1976). A self-assessment questionnaire to determine

morningness – eveningness in human circadian rhythms. International Journal

of Chronobiology, 4, 97-110.

Kirshner, B., & Guyatt, G. (1985). A methodological framework for assessing

health indices. Journal of Chronic Disease, 38, 27-36.

Louzada, F. M. (2000). Um estudo sobre a expressão da ritmicidade biológica

em diferentes contextos sócio-culturais: o ciclo vigília/sono de adolescentes.

Tese de doutorado não-publicada, Instituto de Psicologia, Universidade

de São Paulo.

Luck, C. (2000). Reducing stress among junior doctors. British Medical Journal,

321, S1-7268.

Medeiros, A. L., Mendes, D. B. F., Lima, P. F., & Araújo, J. F. (2001). The

relationships between sleep/wake cycle and academic performance in medical

students. Biological Rhythms Research, 32, 263-270.

Mello, L. C. (1999). A influência dos horários escolares sobre a ritmicidade

biológica de adolescentes. Dissertação de mestrado não-publicada, Instituto

de Psicologia, Universidade de São Paulo.

Monk, T. H., Buysse, D. J., Bibly, B. D., Kennedy, K. S., & Wilbrich, L. M.

(1998). Sleep and circadian rhythms in four orbiting astronauts. Journal of

Biological Rhythms, 13, 188-201.

Moore-Ede, M. C., & Richardson, G. S. (1985). Medical implications of shift

work. Annual Review of Medicine, 36, 607-617.

Newbury-Birch, D., White, M., & Kamali, F. (2000). Factors influencing alcohol

and illicit drug use amongst medical students. Drug and Alcohol Dependence,

59, 125-130.

Rosen, B. C. (1998). Winners and losers of the information revolution:

psychosocial change and its discontents. Westport, Connecticut: Praeger.

Sadeh, A., & Gruber, R. (1997). Stress, anxiety and adolescent sleep: a clinicaldevelopmental

perspective. Trabalho apresentado no Contemporary

Perspectives on Adolescent Sleep, Marina Del Rey, California (disponível na

internet: http://www.websciences.org/adolescentsleep).

Shapiro, S. L., Shapiro, D. E., & Schwartz, G. E. R. (2000). Stress management

in medical education: A review of the literature. Academic Medicine, 75, 748-

759.

Spielberger, C. D., Gorsuch, R. L., & Lushene, R. E. (1979). Inventário de

Ansiedade Traço –Estado. Idate. Rio de Janeiro: Cepa.

Twenge, J. M. (2000). The age of anxiety? Birth cohort change in anxiety and

neurocitism, 1952-1993. Journal of Personality and Social Psychology, 79,

1007-1021.

Tyssen. R., Vaglum, P., Gronvold, N. T., & Ekeberg, O. (2001). Suicidal

ideation among medical students and young physicians: a nationwide and

prospective study of prevalence and predictors. Journal of Affective Disorders,

64, 69-70.

Uhde, T. W. (1998). The anxiety disorders. In M. H. Kryger, T. Roth & W. C.

Dement (Orgs.), Principles and practice of sleep medicine (pp. 871-894).

Nova York: W. B. Saunders.

Valdez, P., Ramírez, C., Garcia, A. (1996). Delaying and extending sleep during

weekends: sleep recovery or circadian effect? Chronobiology International,

13, 191-198.

Valldeoriola, F., & Molinuevo, J. (1999). Therapy of behavioral disorders in

Parkinson’s disease. Biomedical Pharmacotheraphy, 53, 149-153.

Yamashita, K. (1997). Mental health of nurses – 2 years follow-up. Nihon Kango

Kagakkaishi, 17, 64-68.