SOROCABA / SP - quinta-feira, 23 de novembro de 2017

SÍNDROME DA FADIGA CRÔNICA

Kenny De Meirleir, da Universidade Vrije de Bruxelas, na Bélgica

Pesquisador da síndrome há 20 anos, o professor

 

 

Por que a síndrome era considerada de razão psicossomática por alguns pesquisadores e até pelos próprios pacientes?


Por que não havia nenhum marcador clínico. Agora, com o teste de urina é simples. Se, durante a análise, a urina ficar escura em um ou dois minutos, constatamos que há toxinas ali, proveniente de uma bactéria intestinal. Esse é o mecanismo básico que prova a fadiga, a dor e todos os outros sintomas da doença.

 

 

O que muda na na medicina após sua descoberta?


Meus colegas estão em choque. Nós mudamos a direção das pesquisas realizadas até agora, que giravam em torno de vírus, sistema imunológico e hormônios. Ninguém chegou a isso que fizemos. A nossa descoberta explica tudo, todas as pesquisas que os outros estão fazendo. Tudo que acontece no corpo de quem tem uma doença dessas é uma conseqüência do que descobrimos.

 

 

Com o novo diagnóstico, o tratamento pode ser mais eficaz?


Sim. Agora, nós realmente podemos progredir. Já começamos a estudar um tratamento, que está mostrando boas respostas nos pacientes. Não está publicado ainda, mas em pouco tempo haverá uma forma mais efetiva de tratamento.

 

 

 

 

Principais sintomas da síndrome da fadiga crônica

O cansaço deve ser acompanhado pelos sintomas abaixo por mais de 6 meses


 
  • Dificuldades com memória e concentração
  • Problemas para dormir
  • Dores musculares contínuas
  • Dores nas juntas
  • Dor de cabeça
  • Dor de garganta
  • Gânglios inflamados e dolorosos
  • Mal-estar e cansaço que duram mais de 24 horas após esforço físico

Outros sintomas também relatados por pacientes

 
  • Intestino irritado
  • Depressão e problemas psicológicos
  • Suor e calafrio
  • Distúrbios visuais
  • Alergias e hipersensibilidade a comidas, odores, medicamentos e barulhos
  • Confusão mental
  • Vertigem, tontura

Fonte: CDC (Centros de Controle de Doenças)

 

 

 

O que acontece com pessoas cuja doença nunca foi diagnosticada?


Elas vão perdendo cada vez mais suas habilidades físicas e mentais. O cérebro para de trabalhar, o corpo começa a doer, a pessoa perde a força nos músculos e progressivamente perde sua capacidade de trabalhar. Primeiro, elas ficam reclusas em casas e depois, na cama. Ficam deitados por horas, porque não há mais força para nada.

O stress é capaz de potencializar a doença?
Sim, pode. Porém, stress não é a causa do problema, apenas facilita a condição.

 

 

Uma pessoa "workaholic", que está acostumada com uma rotina pesada no trabalho, tem síndrome da fadiga crônica ou pode desenvolvê-la?


Qualquer pessoa pode desenvolver isso.

Mas não necessariamente uma pessoa que trabalha bastante. É claro que quando seu sistema imunológico sofre um processo de stress, você fica mais tenso. Mas ultrapassar limites nas atividades físicas ou o stress prolongado não se comparam à síndrome da fadiga crônica. São coisas completamente diferentes. As pessoas que sofrem dos problemas citados não apresentam essas mudanças fundamentais como a produção de toxinas, infecções e alterações metabólicas em seu corpo.

 

 

A doença pode ser transmitida de uma pessoa para outra?


Nós não sabemos ainda. Estamos estudando isso a partir de mecanismos diferentes. Mas se houver algum grau de transmissibilidade, a impressão que temos é que ele é bem pequeno. Provavelmente, é possível que algumas pessoas possam transmitir a doença, mas é quase improvável que alguém saudável adquira a doença a partir de outro indivíduo portador.

 

 

Existe um tipo de pessoa mais vulnerável a desenvolver a síndrome?


Nós sabemos que há predisposição genética e estamos nos atentando para estudar certos genes. Outra impressão que temos é que as pessoas originárias do norte da Europa, dos países escandinavos, devolvem a doença com mais facilidade. Temos observado que alguns genes ligados à doença são mais comuns nessa população.

 

 

O stress é capaz de potencializar a doença?

 
Sim, pode. Porém, stress não é a causa do problema, apenas facilita a condição.

 

 

Uma pessoa "workaholic", que está acostumada com uma rotina pesada no trabalho, tem síndrome da fadiga crônica ou pode desenvolvê-la?

 
Qualquer pessoa pode desenvolver isso. Mas não necessariamente uma pessoa que trabalha bastante. É claro que quando seu sistema imunológico sofre um processo de stress, você fica mais tenso. Mas ultrapassar limites nas atividades físicas ou o stress prolongado não se comparam à síndrome da fadiga crônica. São coisas completamente diferentes. As pessoas que sofrem dos problemas citados não apresentam essas mudanças fundamentais como a produção de toxinas, infecções e alterações metabólicas em seu corpo.

 

 

 

 

A doença pode ser transmitida de uma pessoa para outra?


Nós não sabemos ainda. Estamos estudando isso a partir de mecanismos diferentes. Mas se houver algum grau de transmissibilidade, a impressão que temos é que ele é bem pequeno. Provavelmente, é possível que algumas pessoas possam transmitir a doença, mas é quase improvável que alguém saudável adquira a doença a partir de outro indivíduo portador.